Anatomia

A coluna cervical é composta pelas primeiras sete vértebras. Inicia bem abaixo do crânio e termina no topo da coluna torácica. A coluna cervical tem o formato de um foto_10C invertido (curva lordótica) e é muito mais móvel do que as regiões torácica ou lombar. Diferente de outras regiões da coluna, a cervical tem aberturas especiais em cada vértebra para as artérias que levam o sangue ao cérebro.

Os dois primeiros corpos vertebrais da coluna cervical são denominados de atlas e axis. O atlas é chamado assim devido ao mítico deus grego que suportou o peso do mundo nos seus ombros, porque esse é o corpo vertebral que suporta o peso de sua cabeça. As vértebras atlas e axis na coluna cervical diferem de todas as outras vértebras porque são primariamente desenhadas para facilitar a rotação. O atlas tem um grosso arco anterior e um fino arco posterior com duas massas proeminentes.

O axis está assentado abaixo do atlas e tem um botão ósseo denominado de processo odontoide que se projeta através do buraco no atlas. É este o mecanismo que permite à cabeça girar de lado a lado. Existem ligamentos especiais entre essas duas vértebras para permitir uma rotação entre os dois ossos.

Entre cada vértebra na coluna cervical existem discos que atuam como absorventes de choque, possibilitando também algum movimento entre os corpos vertebrais. A coluna inteira está conectada por ligamentos que lhe permitem flexão e torção carregando o peso do corpo humano com o exato equilíbrio entre força e flexibilidade.

Somando-se aos discos intervertebrais, existem ligamentos especiais entre cada corpo vertebral, e estruturas ósseas denominadas facetas, que permitem que os ossos da coluna se movam individualmente em relação à outra vértebra. Essas articulações são importantes porque, se entrarem num processo de artrose, podem tornar-se uma fonte de dor. Muitos outros grupos de músculos, que movimentam o tronco e os membros, também se conectam à coluna. Os músculos que envolvem os ossos da coluna são importantes para manter a postura e ajudam a coluna a carregar o peso criado por atividades normais e pelo trabalho. Fortificar esses músculos pode ser uma tarefa importante na fisioterapia e na reabilitação.

Cada vértebra tem um formato especial de modo que, quando encaixadas entre si, protegem a medula contra eventuais danos. A medula é parte do sistema nervoso central: é uma extensão direta do cérebro. É formada por um grande conjunto de nervos que leva mensagens do cérebro ao resto do corpo.

 

Vértebras

As vértebras suportam a maior parte do peso colocado sobre a coluna. O corpo de cada vértebra é anexado a um anel ósseo composto de várias partes. Uma projeção óssea em qualquer lado do corpo vertebral denominado pedículo suporta o arco que protege o canal medular. As lâminas são partes das vértebras que formam a parte posterior do arco ósseo, que cerca e cobre o canal medular.

Há um processo transverso em cada um dos lados do arco onde alguns dos músculos da coluna aderem às vértebras. O processo espinhoso é a porção óssea do corpo vertebral que se projeta medial e posteriormente.

 
Disco Intervertebral

Os discos localizados entre cada vértebra agem como absorventes de choque e articulações. Eles são desenhados para absorver as tensões carregadas pela coluna, enquanto permitem aos corpos vertebrais se movimentarem entre um e outro. Eles são constituídos de um forte anel exterior de fibras denominado ânulo fibroso e de um centro depressível denominado núcleo pulposo. A camada exterior (ânulo) ajuda a manter intacta a camada interior do disco. O ânulo é constituído de fibras muito fortes que conectam cada vértebra uma à outra. O núcleo do disco é mantido com suas características pela alta concentração de água.

 
Facetas

As facetas conectam os arcos ósseos de cada corpo vertebral. Existem duas facetas entre cada par de vértebras, uma de cada lado. As facetas conectam cada vértebra com a outra, acima e abaixo. São principalmente desenhadas para permitirem aos corpos vertebrais um movimento rotativo entre si.

 
Forâmen Neural

Forâmen neural é a abertura por onde as raízes saem da coluna e se dirigem ao resto do corpo. Existem dois foramens neurais localizados entre cada par de vértebras, um de cada lado. O forâmen cria uma passagem de proteção para os nervos que levam sinais entre a medula espinhal e o resto do corpo.

 

Medula Espinhal e Raízes dos Nervos

A medula espinhal se estende da base do cérebro até a área entre a parte inferior da primeira ou segunda vértebra lombar. A medula espinhal termina dividindo-se em nervos individuais que se dirigem através dos foramens neurais aos segmentos por eles inervados. Esse grupo de nervos no fim da medula espinhal é denominado de cauda equina.
A dura mater é a membrana protetora que encobre a medula espinhal. A dura mater forma um saco impermeável ao redor da medula espinhal e dos nervos. A medula espinhal é envolta por um líquido, denominado líquido cefalorraquidiano (LCR).

As raízes da medula espinhal se conectam a partes específicas do corpo. Os nervos da coluna cervical se interligam com a parte superior da caixa torácica e com os braços. Os nervos carregam também estímulos sensitivos de volta ao cérebro, criando sensações.

Eventuais danos causados às raízes ou à medula espinhal podem originar alguns sintomas como dor, formigamento, dormência e diminuição de força.